Cooperativa transforma lixo em renda para famílias de Aracaju

Ação contribui para redução do impacto ambiental e inserção social de famílias

0

A problemática em torno do acúmulo do lixo em vias públicas e greve dos garis em Aracaju continua. E este procedimento considerado rotineiro muitas vezes não desperta a curiosidade sobre o destino desse lixo. Só que, esse material jogado fora todos os dias, é o meio de sustento de muitas famílias em nossa capital sergipana.

Há 17 anos, existe o trabalho de coleta seletiva de materiais recicláveis, através do pioneirismo da Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju (Care), localizada no bairro Santa Maria. O serviço de coleta na cidade ajuda a reduzir o impacto ambiental, causado por materiais que podem ser reutilizados.

Atualmente, por mês, 250 toneladas de materiais são coletadas pela Care. Porém, acima disso, o serviço possui um caráter social, já que cerca de 50 cooperados de baixa renda sustentam suas famílias, através do trabalho desenvolvido na Cooperativa. Muitos deles já sobreviveram da catação de lixo na extinta lixeira do Santa Maria.

Conseguir renda a partir do lixo é rotina para muitos dos catadores desde a infância. “Comecei a catar lixo com minha família quando tinha seis anos de idade. Meu pai veio do interior com 12 filhos, sem perspectiva de emprego. Nos instalamos no lixão para conseguir tirar a nossa renda”, revela Adriano dos Santos, de 27 anos, cooperado da Care.

Adriano dos Santos, cooperado da Care.
Adriano dos Santos, cooperado da Care.

Segundo Adriano, cerca de 350 famílias dependiam da extração de materiais reciclados do lixão. A Care foi criada em 1999, com o apoio do Ministério Público Estadual, para organizar esses catadores em um processo cooperativado. A instituição iniciou suas atividades com apenas oito cooperados, já que muito catadores não acreditavam no sucesso da cooperativa.

“Atualmente, temos 43 cooperados e contamos com parceria de instituições públicas e privadas. A Care é um exemplo de como fazer a união de uma cooperativa. Já avançamos muito, mas ainda temos desafios, principalmente, que a sociedade entenda melhor a importância de selecionar materiais em casa”, conta Adriano, que também é representante estadual do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis.

Adriano é um exemplo de determinação e força de vontade. Em busca de superar as dificuldades, o jovem terminou o ensino médio e iniciou o curso superior de Administração de Empresas.

Melhor renda, mais dignidade

A cooperativa não recebe nenhum incentivo financeiro externo, a receita orçamentária depende exclusivamente do trabalho realizado pelos cooperados. Em média, os catadores recebem R$ 350 por quinzena, enquanto que no lixão, vendiam os materiais para os atravessadores, que pagavam preços irrisórios.

Maria de Fátima Barbosa, trabalha na Care há sete.
Maria de Fátima Barbosa, trabalha na Care há sete anos

Também dependia do lixão para sobreviver, a cooperada fala do trabalho com humildade e orgulho. “No lixão, tirava 70 reais por quinzena e ainda disputava com outros catadores quando uma caçamba do lixo chegava. Muitas vezes tirava meu alimento daquele lugar. Hoje, sustento meus três filhos com o que ganho na Care, conta emocionada.

A rotina de trabalho da Cooperativa vai de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h, com pausa para almoço. A equipe se divide entre a ida às ruas, para recolher o material, e a seleção. “Quando material chega aqui, descarregamos e separamos papelão, alumínio, vidro, plástico, entre outros”, explica

Socorro Soares, presidente interina Care
Socorro Soares, presidente interina Care

Pequena ajuda, grande diferença

A coleta seletiva é feita em residências, empresas, escolas, condomínios e órgãos públicos. Quem tiver interesse de doar materiais recicláveis, deve entrar em contato com a Care, através do número (79) 9 9138- 5905.

Em média, 35 parceiros, entre empresa e órgãos públicos, doam materiais para a cooperativa. Um desses parceiros é o Colégio do Salvador, que possui o projeto ambiental ‘Coleta Seletiva Ato Cidadão’.

A iniciativa mobiliza oito turmas do 2º ao 5º ano, seus pais e muitas outras pessoas em prol da reciclagem de lixo. A escola recebe o material reciclável e repassa às cooperativas parceiras, inclusive a Care.

Por Danielle Cavalcante, da equipe VIP

Deixe uma resposta