Defesa Civil recomenda atenção à população nas áreas de risco de Aracaju

0

Em virtude de alerta emitido pelo Centro Nacional de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), o Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec) da Secretaria de Estado da Inclusão Social recomenda atenção à população residente nas áreas de risco da capital sergipana, o que representa o número estimado de 2.368 pessoas em 592 moradias.

Vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o Cemaden emite alertas para municípios de todo o país que tiveram riscos mapeados pelo serviço geológico do Brasil, estando Aracaju entre eles. É o que explica o ten. cel. Alexandre José, coordenador da Defesa Civil Estadual. “O alerta foi emitido nesta quarta, 05, por volta das 15h, em razão das chuvas significativas que ocasionaram o acumulado de 125 mm em 72h. Por isso, se recomenda atenção especial às áreas de risco mapeadas”, detalha.

Conforme o documento, a previsão meteorológica indica continuidade de chuva com intensidade fraca nas próximas 24 horas. “As áreas de risco de movimentos de massa no município caracterizam-se pela ocupação de encostas de material arenoso afetadas por erosão pluvial expressiva e feições de instabilidade. Esta situação, associada à precipitação acumulada e à previsão meteorológica, indica que podem ocorrer deslizamentos pontuais induzidos nas áreas mapeadas”.

Ainda de acordo com ele, o alerta já foi enviado para o município. “Estamos em estado de atenção em razão das chuvas, que têm sido constantes, apesar de não terem sido tão intensas. Por esse acumulado de enxarcamento do terreno, pode ocorrer nas áreas de risco, movimentos de massa ou deslizamentos de terra. É preciso, então, ter atenção redobrada, para que evitemos desastres em decorrência dessas chuvas”, disse.

A recomendação da Defesa Civil Estadual para as pessoas residentes nas áreas de risco de Aracaju é que, ao menor sinal de instabilidade estrutural, saiam das suas casas e acionem o Corpo de Bombeiros através do telefone 193; e a Defesa Civil, ligando para o 199.

Via ascom

Deixe uma resposta