Dia da Cerveja: confira dicas de como escolher rótulos e harmonizar

0
O especialista Marcelo Vasconcelos dá dicas especiais sobre cervejas

Com tantas novidades em rótulos especiais e reinvenção das tradicionais, as cervejas estão revelando um mundo de sabores que só cresce, aumentando também o público apreciador. Não é à toa que a primeira sexta-feira de agosto é só dela, o Dia Internacional da Cerveja, celebrado neste ano no dia 3. O fato é que muita gente tem optado por economizar na conta do bar e consumir em casa, mas às vezes se perde em meio a tantos rótulos e acaba levando o que não combina com seu paladar ou com o cardápio planejado. Só no GBarbosa são mais de 50 rótulos de mais de 20 países.

Para facilitar a imersão dos consumidores em meio a tantas possibilidades, o especialista Marcelo Vasconcelos apresenta dicas valiosas sobre as cervejas especiais que contam com ingredientes selecionados e são produzidas com foco na variedade de cores, aromas e sabores. “Para a produção são utilizadas técnicas e receitas tradicionais para agradar os mais exigentes paladares. Por isso, para começar, uma dica interessante é harmonizar a cerveja com o tipo de petisco, lanche ou prato que se irá degustar.

Por exemplo, para combina com acarajé, uma cerveja Session Citra da Wäls vai muito bem. Vasconcelos informa que essa cerveja é uma session IPA, o que, em teoria, faria dela cerveja bem amarga, mas nem tanto. “Por ser cítrica ela harmoniza perfeitamente com o acarajé. A sensação desta combinação é de que todas as mordidas no acarajé sejam como a primeira, pois os elementos desta bebida fazem uma limpeza nas papilas gustativas, resgatando o sabor”, explica.

Passo 1 – Identificando os tipos

Para quem não está habituado, os rótulos muitas vezes são desafios à parte para identificar a intensidade de sabor e teor alcóolico. “É preciso entender que as cervejas são classificadas em famílias e estilos, por exemplo, cervejas tipo Pilsen pertencem à família Lager. São de baixa fermentação, leves, claras e mais refrescantes. Já a IPA é da família ALE, ou seja, são de alta fermentação, complexas, mais encorpadas, com aromas e sabores mais frutais. Por fim, a Wäls, que são mais cítricas e frutadas”, pontuou Vasconcelos.

Veja alguns temos simples que podem ajudar o consumidor na escolha:

Weiss – Cervejas à base de trigo.
IPA – Cervejas bastante lupuladas.
Pilsen – Leves e refrescantes.
Wäls – Cítricas e frutadas.

Passo 2 – Harmonização

Um elemento corta o residual do outro e potencializa a cerveja e a comida, por isso a harmonização faz tanta diferença numa refeição. Para descomplicar, a dica de Marcelo Vasconcelos é seguir a regra do equilíbrio: comidas leves com cervejas leves e comidas pesadas com cervejas mais intensas. “Para pães e massas, o ideal é seguir com as cervejas que também levam trigos, como as witbiers e as waiss, seguindo o critério da semelhança. No entanto, se a ideia é aproveitar os cortes de carne nobre para um churrasco na varanda, fica legal harmonizar com cervejas que levam maltes tostados ou defumados, como as smoked e rauchbiers”, orienta.

Deixe uma resposta