Dia do Corretor: abnegados em realizar sonhos, eles destacam as alegrias e desafios da profissão

0
Elany Ribeiro, Leonardo Reis e João Matheus, da Norcon Rossi Vendas.

Já imaginou quanta responsabilidade atuar em uma área diretamente ligada à realização de um sonho? Pois, esses profissionais fazem desta missão um ofício. Essa é a realidade dos corretores de imóveis e no dia dedicado especialmente a eles, buscamos dar voz àqueles que se empenham em ajudar famílias a encontrar um lar para chamar de seu. Uma atividade que une o melhor de diversas profissões, repleta de desafios, muita dedicação e laços de amizade que se constroem a cada negócio fechado.

“Quando chega o Dia do Corretor fazemos uma retrospectiva sobre quantos sonhos ajudamos a realizar, do quanto crescemos enquanto pessoa e profissionalmente, pois entramos literalmente na casa das famílias. Então, é um dia de muita alegria, de celebração! A cada ano que passa conseguimos ver o quanto o mercado está mudando e como precisamos inovar no dia a dia para atingir nosso melhor e assim continuar a realizar o sonho de tanta gente, que é o de conquistar a casa própria”, destacou Elany Ribeiro, 25 anos, corretora de imóveis.

Foi através de uma amiga em 2011, que Elany se encantou pela área. Era o momento do ‘boom’ imobiliário em Sergipe. “Foi muito interessante, pois passei uma semana com essa amiga, acompanhando sua rotina no atendimento aos clientes e me apaixonei pela área. Fiz o curso de corretagem e pouco tempo depois iniciei as minhas atividades na Norcon Rossi Vendas, onde estou até hoje. Não consigo me ver em outra área que não seja o mercado imobiliário, digo isso sem dúvidas, isso porque, estou na reta final da faculdade de Direito, mas não pretendo atuar, pois de fato me identifiquei com a corretagem de imóveis. Hoje, para se ter uma ideia, me tornei também uma influenciadora, já que tenho dentro da minha estrutura cinco corretores que eram do meu relacionamento na faculdade e todos entraram no mercado imobiliário através da minha influencia”, revelou.

“Costumamos dizer que o corretor tem um pouco de todas as profissões, ou seja, economista, gerente de banco, vendedor, psicólogo e se torna amigo da família que está comprando, pois trabalhamos para realizar o maior sonho do ser humano que é seu lar. Por isso, é preciso entender o que esse cliente está buscando, se é investimento, o retorno financeiro que o imóvel vai entregar para ele, se é uma família que está precisando mudar para um imóvel maior, pois está crescendo, ou mesmo, se é aquele cliente que está saindo da casa dos pais e precisa de um imóvel próximo de certas comodidades para facilitar sua nova vida. É tudo muito mágico e acabamos criando laços de amizade com os nossos clientes que são levados ao longo da vida”, contou a gestora de vendas.

Foi também através de um amigo que o corretor Leonardo Reis, de 33 anos, deu seus primeiros passos na área de corretagem. E mais que uma profissão, a oportunidade no mercado de imóveis, representou também uma mudança de vida para o jovem, então com 23 anos, e que era lavador de carros.

Leonardo Reis era lavador de carros e conta como a corretagem mudou a sua vida.

“Atuo há dez anos nesta área e fui influenciado por um amigo músico lá de Goiás, onde eu trabalhava como lavador de carros. Sou muito grato a ele que me apresentou essa profissão, que representa uma mudança de vida na minha história, pois foi graças à corretagem que consegui realizar sonhos e projetos que nunca eu havia imaginado alcançar. Foi como corretor de imóveis que pude ter contato com pessoas que eu nunca teria na minha vida, e isso sem dúvidas foi e é um grande privilégio. Para mim é a melhor profissão, sem dúvidas”, enfatizou.

Através de um outro amigo, Leonardo recebeu o convite para deixar Caldas Novas, em Goiás, e atuar como corretor, comercializando os imóveis da Norcon Rossi no Nordeste. E foi assim que ele fez sua carreira em Aracaju.

“Sempre falo que se você trabalhar pensando na realização do sonho de uma pessoa, você vai ter sucesso financeiro. Já se você trabalhar pensando no financeiro, você não vai ter realização profissional, pois é uma consequência. O que mais me empolga nesta profissão é quando você consegue mostrar para uma pessoa que é leiga, que ela tem condições de comprar um imóvel e realizar seu sonho da melhor maneira possível. Essa, sem dúvidas, é a grande satisfação do corretor de imóveis”, afirmou.

João Matheus em ação no Espaço Norcon Rossi.

Há também quem já tenha aptidão para a área comercial. É o caso do João Matheus França, de 25 anos, e que há um ano e meio atua como corretor de imóveis. “Venho de uma família de comerciantes, meu avô era feirante, meu pai é comerciante e eu sempre procurei estudar algo voltado aos negócios. Fiz administração de empresas, hoje curso engenharia de produção, que é uma graduação voltada a negócios, e acabei entrando no ramo imobiliário através de uma vertente da administração. Assim que me formei, fui trabalhar no departamento de marketing de uma imobiliária aqui da capital sergipana, mas, pelo fato de ter sempre atuado no comércio, acabei não me adaptando ao trabalho interno e foi daí que surgiu a oportunidade de atuar na área de corretagem. Neste um ano e meio só tenho alegrias, de fato me identifiquei e estou feliz com a profissão”, contou.

“Nossa responsabilidade é grande, pois por diversas vezes nos deparamos com pessoas que vêm se preparando para realizar o sonho da casa própria há 20 anos, ou seja, guardando as economias, se privando de várias coisas para alcançar esse objetivo. É muito gratificante quando finalizamos todo o processo de negociação, pois acabamos ganhando não mais um cliente, e sim, um amigo, já que de certa forma, passamos a conhecer um pouco da história de cada família. Valorizamos as pessoas e os sonhos delas trabalhando da melhor forma possível para atender suas expectativas”, enfatizou o corretor.

Deixe uma resposta