Estudantes promovem a Literatura de Cordel em Mostra Literária

Estudantes do Ensino Fundamental Maior do Colégio do Salvador deram um show de cultura para o público na Mostra Literária 2017

0
Mostra Literária

Nesta última sexta-feira, 02, os alunos do Ensino Fundamental Maior do Colégio do Salvador deram um show de cultura para o público presente na quadra da escola. A Mostra Literária 2017, evento tradicional no calendário da instituição de ensino, relembrou raízes tão fortes da cultura nordestina: a literatura de cordel.

r-trindade-8

Foram ao todo oito cordelistas homenageados: João Ferreira de Lima (PE), Elias Alves de Carvalho (PE), Patativa do Assaré (CE), Cego Aderaldo (CE), João Firmino Cabral (SE), Chiquinho do Além Mar (SE), Jessier Quirino (PB) e Mestre Azulão (PB).

Do 6° ao 9° ano, as turmas representavam os talentos da literatura do cordel com apresentações e recitais de suas obras mais renomadas. Temas como a seca no sertão até histórias de amor foram retratados com estima e zelo pelos alunos, que se empenharam durante um mês para celebrar uma cultura tão rica.

r-trindade-69

O coordenador Carlos Magno afirma que o objetivo da Mostra Literária 2017 foi aproximar os alunos da cultura nordestina. “É importante fazer com que eles conheçam a nossa cultura nordestina, saber quem foram esses cordelistas que são tão pouco divulgados pela mídia, então trazemos para o contexto o senso de pertencimento, a valorização da nossa cultura que é tão rica e pouco conhecida”, conta Carlos.

Apesar do clima de empenho e torcida das equipes, o coordenador ressalta que a Mostra Literária não foi uma competição, mas sim, uma oportunidade de aprendizagem. “Eles fizeram todas as modalidades sozinhos, cada turma elaborou sua própria maquete e suas próprias apresentações. Neste evento não foi permitida a interação de nenhum agente externo às equipes”, completa o coordenador.

Para a aluna Giovana Amaral do 7° ano B, a iniciativa foi bem recebida. “Eu achei ótimo conhecer mais sobre a literatura de cordel, antes eu não conhecia muito, apesar de ser uma arte nordestina”, conta Giovana. “Para gente foi uma boa oportunidade para conhecer mais sobre a nossa cultura”, finaliza.

Por Amanda Magalhães, da equipe VIP

Deixe uma resposta