Infraestrutura deficitária prejudica competitividade da indústria

0
Foto: Unicom/Fies

O escoamento da produção industrial em Sergipe é um dos grandes desafios para quem estabelece sua empresa, no estado.

No cenário nacional, há uma carência de investimentos notável no setor de transportes, principalmente quando se fala em portos.

Exemplo desta dificuldade é a Tropfruit, indústria de sucos localizada em Estância e que atualmente é a maior exportadora do estado.

Para o gerente administrativo e comercial Tropfruit, Diorani Morais, os investimentos na área de infraestrutura deveriam ser para ontem.

Foto: Unicom/Fies
Foto: Unicom/Fies

“A produção de frutas para mercado interno e para produção de sucos é transportada via estradas e rodovias, que não têm boas estradas e não são pavimentadas ou asfaltadas. Nossa produção – cerca de 70% – é destinada para a exportação. Atualmente, exportamos através do porto de Salvador/BA, por conta de não dispor de estrutura portuária em Sergipe que possa atender exportações via contêineres”, comenta.

Logística

Os custos dessa operação via porto de Salvador são elevados, de acordo com Diorani. “Precisamos coletar container no porto de Salvador, transportar até a Tropfruit – 320 km – carregar e retornar para porto de Salvador – mais 320 km – via BR 101, que cada dia mais está movimentada e sem manutenção”, afirma.

Ele ainda ressalta que a ampliação e modernização do porto local seriam de grande impulso para a indústria local. A empresa atualmente exporta o volume de 1.400 contêineres refeers e 120 contêineres dries para 120 países.

Indicações feitas pela CNI

 

O governo lançou no segundo semestre de 2016, o Programa de Parceria em Investimentos (PPI), que consiste em ampliar a participação privada no setor de infraestrutura do país.

Essa também é a conclusão do estudo intitulado “Oportunidades para a privatização da infraestrutura: o que fazer, como fazer” realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) que apresenta os caminhos para o desenvolvimento desse setor tão primordial para o aumento da competitividade dos produtos brasileiros.

Dois pontos são essenciais para a melhoria imediata da infraestrutura brasileira: a transferência da administração portuária ao setor privado, precedido de uma reestruturação da Companhia Docas e adoção de uma estratégia de privatização de portos públicos.

Áreas como saneamento básico e outros meios de transportar mercadorias, como ferrovias e rodovias, também são apontados esse caminho de parcerias público-privada (PPP’s) para a obtenção de melhorias na logística da indústria nacional.

unicom

O estudo da CNI conclui que a iniciativa privada tem uma maior capacidade de mobilização de recursos e de responder com maior rapidez às necessidades do mercado, bem como a mudança de preços relativos. Por toda questão burocrática que o setor público necessita ter em qualquer trâmite, esse ponto de vista da entidade seria realmente um avanço para as condições de investimento na infraestrutura do país.

Via Unicom/Fies

Deixe uma resposta