Max Cuscuz e a poesia cantada

O músico sergipano, que realiza o seu primeiro show acústico no dia 17 de junho, fala sobre canções, projetos e trajetória

0

Músicas com jeito de poesia e melodia suave, que falam sobre histórias ou pessoas que cruzaram o seu caminho em algum momento da vida. As canções do cantor e compositor Maxwell Nascimento Santos, 26, falam com simplicidade sobre coisas que todos nós vemos, sentimos ou somos.

Com mais de 30 músicas autorais, compostas ao longo dos últimos dois anos, Max Cuscuz ficou conhecido por cantar e tocar violão nos ônibus que circulam pela capital sergipana. Além disso, já se apresentou em bares, shoppings e alguns eventos de moda, como o Miss e Mister Sergipe.

Ele conta que a identificação com a música começou ainda na infância. Mas foi em 2015, enquanto fazia o curso pré-vestibular para medicina, que o músico se dedicou verdadeiramente a escrever as canções, numa espécie de descoberta pessoal.

“Música para mim é tudo. É uma busca pessoal. Sempre me pergunto por que não tenho problemas como depressão, que hoje é tão comum. Quando me sinto mal, eu toco e consigo externar o que sinto”, disse.

“Cantar é melhor do que pensar ruim” é o desfecho de “Bilim bilim”, uma das principais canções do cantor. Não por acaso, a frase é um reflexo direto da relação que ele mantém com o mundo da música.

Mas é a canção “Marionetes” que fala propriamente sobre a vida do compositor: “Quando não deixei que me levassem de mim. Quando acordei, enfim, para mim, para o mundo lá fora. Deixei de ser marionete, deixei de ter os grilhões que prendem os corações. Não adianta ser marionete dos outros”.

Trajetória

Ao longo da vida, Max precisou superar inúmeros desafios, entre eles a dificuldade financeira. O músico relembra que, após prestar o supletivo e concluir o ensino médio, teve que buscar uma bolsa de estudo em curso preparatório para o vestibular.

“Eu trabalhava em loja de shopping durante o dia e estudava em casa de madrugada e, nesse meio tempo, acabei conseguindo uma bolsa de estudo no colégio Amadeus”, conta. No segundo ano em que fez o Enem, em 2015, ele conquistou uma vaga no curso de medicina da Universidade Federal de Sergipe.

Com bom humor, Max fala como surgiu o apelido, que hoje faz parte do seu nome artístico. “Isso começou na segunda série, durante a feira de alimentos, quando apresentei um trabalho sobre o cuscuz. Já no curso pré-vestibular, durante uma semana só levei cuscuz para comer. Foi quando começaram, novamente, a me chamar pelo apelido. Não me livrei”, brinca.

Atualmente, o músico repassa o aprendizado para outros jovens através de palestras de aconselhamento e é professor particular de redação. No futuro, ele diz que se vê como alguém ainda melhor. “Sempre me imagino tocando música, dando palestras, sendo um ótimo neurocientista. Eu me vejo grande”,diz.

Projetos

Sobre o primeiro show da sua carreira, “Sobre todas as coisas e eu”, Max diz ser a realização pessoal de um sonho. “Não temos que esperar a oportunidade acontecer, temos que criar a própria oportunidade. Então, eu pensei, ‘vou fazer um show’. E, como venho dizendo, será um show especial, para pessoas especiais. Quero ser ajudado e quero ajudar de volta com a minha música”, pontua.

Com o incentivo de alunos, professores e amigos, ele diz se sentir grato e, ao mesmo tempo, impressionado com os resultados do seu trabalho. “A música era algo que eu fazia para mim. Hoje, muitos me pedem para eu gravar um disco, por exemplo. Vejo que muita gente passa pelo que eu passo, pensa o que eu penso, e não consegue colocar para fora. Às vezes, você escuta uma música e ela consegue fazer isso por você”, destaca.

Com o valor arrecadado com o show servirá para colocar em prática alguns projetos idealizados pelo cantor. “Primeiro, quero gravar um demo e disponibilizar as canções no Spotify. E, depois, gostaria de criar um canal no Youtube, em parceria com artistas sergipanos, para todo mundo ver que Sergipe tem músicos bons, muito bons, de todos os gêneros”, finaliza.

Quem deseja conhecer o trabalho do músico terá a oportunidade de assistir o seu primeiro show acústico e ao vivo, que acontecerá no dia 17 de junho, às 19h, no Teatro Lourival Batista. O evento trará a participação de músicos como violinista, violoncelista e trompetista.

O ingresso custa R$ 20 reais e pode ser adquirido através dos telefones: 99152-8218/ 98149-2905/ 99138-1844.

Por Layanna Machado, da Equipe Vip

Deixe uma resposta