Sergipanos contam como é tentar a vida no exterior

Seja por causa de estudos, negócios ou mesmo para buscar uma melhor qualidade de vida, os jovens de Sergipe cada vez mais têm buscado a moradia fora do Brasil. Confira algumas histórias!

0

Todo mundo conhece alguém que mora fora do Brasil, não é mesmo? Seja aquele amigo próximo, colega do tempo da escola ou mesmo parente, é perceptível que há uma migração de pessoas que decidem tentar a vida em outro país. E os motivos são diversos: tem gente que quer aprimorar o aprendizado em outra língua, estudar uma graduação, MBA, mestrado ou ter uma experiência de trabalho no exterior.

A jornalista Janaina de Oliveira Freitas, de 28 anos, decidiu se mudar para os Estados Unidos há cerca de três anos, por achar que teria uma qualidade de vida maior, além de mais oportunidades de emprego. Casada, residente em Seattle (Washington), ela atua como voice recording analyst e diz que apesar da saudade que sente das pessoas, se depender dela, só pretende voltar para o Brasil a passeio.

“Eu vejo muita diferença cultural entre os dois locais, a forma como as pessoas vivem é bastante diferente. As pessoas se sentem seguras e isso é com certeza o que eu mais gosto aqui. É indescritível a sensação de poder sair sozinha, usar aparelhos eletrônicos na rua, no ônibus, metrô e não ter medo de ser assaltada ou de ser morta, enfim. Mas também sinto falta da família e amigos, da praia, da água quentinha, da areia e das ondas”, afirma.

Destinos mais frequentes
Dados divulgados pelo Itamaraty, com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), apontam que a América do Norte é o destino mais escolhido pelos brasileiros. Na última pesquisa, de 2014, foram detectados 1.368.300 brasileiros vivendo na região. Destes, apenas 39.300 no Canadá e o restante, nos Estados Unidos.

A Europa, em segundo lugar, possui 865.681 brasileiros residentes no continente. Somente em Portugal, são 166.775 moradores, seguido por Espanha, com 128.638 e Reino Unido, com 120.000. No total, somando todos os continentes, o Brasil acumula um saldo de 3,1 milhões de pessoas vivendo em outros países.

13087274_10206190730352219_8850567533245213167_o

Além da busca por uma maior qualidade de vida, o exterior atrai também pessoas que desejam se qualificar nos estudos. Bianca Oliveira, que é jornalista e itabaianense, elegeu a cidade de Dublin, na Irlanda, como sua nova moradia. O objetivo era aprofundar os estudos de inglês e conhecer a Europa, mas ela acabou ficando mais do que o esperado e atualmente cursa mestrado em Marketing Digital.

Em busca de aprimorar estudos
“Sempre acreditei que essa experiência teria um impacto muito positivo para minha vida profissional e, claro, para o meu desenvolvimento como ser humano. O plano era ficar um ano na Irlanda e aproveitar ao máximo essa experiência, mas agora já fazem dois anos e sete meses que eu estou morando aqui”, destaca Bianca.

Ela não pensa em voltar para o Brasil no momento, no entanto ressalta que não é fácil viver longe dos amigos e da família. “É preciso estar disposto e preparado para sair da zona de conforto, porque, ao contrário do que muitos pensam, viver fora do Brasil não é um conto de fadas. Mas, o que eu posso dizer, é que estou muito feliz com a minha escolha”, acrescenta.

A estudante de Engenharia Ambiental, Karoline Oliveira de Jesus, de 22 anos, está fazendo um intercâmbio acadêmico na cidade de Dresden, Alemanha, onde residirá até agosto de 2017. Ela, que decidiu mudar de país após conseguir uma bolsa de estudos na universidade, diz que voltará à Aracaju para concluir a graduação na Universidade Tiradentes.

14813412_1443737238973041_6123374_o“Terei que voltar ao Brasil para terminar minha graduação, já que ainda existem matérias a cursar. Mas meus planos de futuro é criar uma carreira como Engenheira Ambiental seja aqui em Dresden, no Brasil ou em qualquer outro país. Acredito que todo mundo deveria ter essa oportunidade. Sei que é difícil deixar tudo aquilo que você conhece para trás, mas as memórias que virão a partir daquilo que você viveu serão inesquecíveis’, relata Karoline.

Por Danielle Menezes, da equipe VIP

Deixe uma resposta