Zumbido: otorrinolaringologista explica causas e tratamento

0
Foto: divulgação

Você já sofreu com um zumbido persistente no ouvido? Bem, você não é o único. Segundo a American Tinnitus Association (“Associação Americana de Zumbido”, em tradução livre), pelo menos 20% das pessoas apresentam algum quadro do fenômeno ao longo da vida. Na população com mais de 60 anos, esse índice sobe para 25%.

Segundo a otorrinolaringologista Patrícia Araújo, na maioria dos casos, o zumbido no ouvido não caracteriza nenhuma doença grave. “Entretanto, deve ser um alerta para uma série de condições que exigem cuidados especiais e acompanhamento médico”, afirmou.

A definição de zumbido é a percepção de um som ou ruído interno no ouvido ou na cabeça, sem a existência de uma fonte sonora externa.l.

Adultos mais velhos, homens, pessoas que fumam ou usam drogas e aqueles com histórico de infecções de ouvido ou doença cardiovascular têm maior risco de desenvolver o zumbido.

Para muitos, o sintoma de zumbido no ouvido surge gradualmente e eventualmente desaparece como uma forma de ajuste entre o cérebro e os ouvidos. No entanto, para outros o zumbido pode durar anos e causar várias complicações, inclusive ansiedade ou depressão.

Quais as possíveis causas de zumbido?

O zumbido é um sintoma e não uma doença. E ele pode surgir nos quadros de perda de audição, doenças neurológicas, acúmulo de cera no ouvido, depressão, distúrbios do metabolismo e outros. No caso dos fatores fisiológicos, a sensação é desencadeada por falhas na vascularização do ouvido. Com a passagem sanguínea insuficiente, as células têm menos oferta de oxigênio e não conseguem se nutrir adequadamente, o que prejudica o metabolismo da região. Já a depressão altera os neurotransmissores responsáveis pela audição.

Ok, o zumbido está me incomodando. Como devo tratar?

Como se trata de um sintoma envolvido com uma série de condições clínicas , uma investigação ampla é necessária para traçar a estratégia de tratamento eficaz. De acordo com a especialista Patrícia Araújo, não existe um único tratamento eficaz para todos os tipos de zumbido. “Algumas medidas podem diminuir e eliminar o problema. Para o sucesso do tratamento, precisamos entender as patologias que estão por trás do zumbido. E, claro, a resposta é individual”, afirmou.

Deixe uma resposta